sábado, 4 de julho de 2009

Os escândalos no Congresso de janeiro a junho de 2009


Coisas intemináveis...!


O colunista do UOL em Brasília, Fernando Rodrigues, fala sobre os casos de desvio de conduta no Congresso em 2009. Confira dos casos de desvio de conduta no Congresso no Monitor de Escândalos do UOL: http://noticias.uol.com.br/escandalos-congresso/

http://cienciapolitica-dcsuem.blogspot.com

Desde a campanha ele tem feito isso

A internet tem me feito isso:
I have drean - Não esqueçam de King.
Me lembro sempre de nossos negros, que também tiveram que lutar por sua liberdade.
.
Tradução: inglês » português
Pedro BUENO --
This weekend, our family will join millions of others in celebrating America. We will enjoy the glow of fireworks, the taste of barbeque, and the company of good friends. As we all celebrate this weekend, let's also remember the remarkable story that led to this day.
Two hundred and thirty-three years ago, our nation was born when a courageous group of patriots pledged their lives, fortunes, and sacred honor to the proposition that all of us were created equal.
Our country began as a unique experiment in liberty -- a bold, evolving quest to achieve a more perfect union. And in every generation, another courageous group of patriots has taken us one step closer to fully realizing the dream our founders enshrined on that great day.
Today, all Americans have a hard-fought birthright to a freedom which enables each of us, no matter our views or background, to help set our nation's course. America's greatness has always depended on her citizens embracing that freedom -- and fulfilling the duty that comes with it.
As free people, we must each take the challenges and opportunities that face this nation as our own. As long as some Americans still must struggle, none of us can be fully content. And as America comes ever closer to achieving the perfect Union our founders dreamed, that triumph -- that pride -- belongs to all of us.
So today is a day to reflect on our independence, and the sacrifice of our troops standing in harm's way to preserve and protect it. It is a day to celebrate all that America is. And today is a time to aspire toward all we can still become.
With very best wishes,
President Barack Obama
_SetupBidi('source');


Pedro BUENO -- Este fim de semana, nossa família vai juntar milhares de outros na América celebrando. Vamos desfrutar o brilho dos fogos de artifício, o sabor do churrasco, e da companhia de bons amigos. Como todos nós celebramos este fim de semana, vamos lembrar também a notável história que conduziu a este dia. Duzentos e trinta e três anos atrás, a nossa nação nasceu quando um corajoso grupo de patriotas prometeu suas vidas, fortunas, sagrado e honra para a proposição de que todos nós foram criados iguais. Nosso país começou como uma experiência única em liberdade - um ousado, busca evoluir para alcançar uma união mais perfeita. E, em cada geração, um outro grupo de patriotas corajosas levou-nos um passo mais perto de realizar o sonho plenamente nossos fundadores, consagrado naquele grande dia. Hoje, todos os americanos têm uma dura-inalienáveis lutaram para uma liberdade que permite que cada um de nós, não importa as nossas opiniões ou pano de fundo, para ajudar a definir a nossa nação do curso. America's grandeza que sempre dependeu dela abraçando os cidadãos que a liberdade - e cumprir o dever que vem com ele. Tal como pessoas livres, temos de cada um assumir a enfrentar os desafios e as oportunidades que esta nação como a nossa. Enquanto alguns americanos ainda têm luta, nenhum de nós pode ser plenamente conteúdo. E, como América vem cada vez mais estreita para atingir a perfeita União nossos fundadores sonharam, que triunfo - que orgulho - pertence a todos nós. Então, hoje é um dia para reflectir sobre a nossa independência, bem como o sacrifício de nossas tropas em danos permanentes da forma de preservar e proteger. É um dia para celebrar todos os que a América é. E hoje é um tempo para aspirar para todos nós ainda pode se tornar. Com muito melhores desejos, Presidente Barack Obama

Eu tive um sonho - Martin Luther King

"I have dream"

Hoje, 4 de julho, dia da Indepndência dos EUA, quando depois de quase 50 anos, onde hoje os americanos têm um Presidente negro, jamais poderíamos nos esquecer de um homem que disse:"I have dream". Falou firme perante uma grande multidão e que o mundo todo tomou conhecimento desse seu sonho. Sonho realizado por muitos outros como ele, King, que morreram pela causa mas que não puderam estar presentes no dia da posse de Obama. Depois de King, o sonho do mundo começou a se realizar.


Banda larga em rede elétrica







:: 03/07/2009 10:30 Seção: Internet
Banda Larga via rede elétrica: Fechadas as regras para a oferta do serviço
Luís Osvaldo Grossmann
Na próxima semana, o Conselho Diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) começa a analisar o relatório sobre o uso da rede elétrica para a transmissão de dados, ou seja, a possibilidade dos consumidores utilizarem serviços de banda larga de internet pelo sistema elétrico. O regulamento do PLC (Power Line Communications), sigla em inglês para comunicação por linha de energia, está pronto e, a julgar por projetos já em andamento, promete uma mexida no mercado atualmente dominado pelas operadoras de telecom.
As distribuidoras de energia não poderão tocar o serviço diretamente. Pela regra proposta devem oferecer a infraestrutura de rede para quem quiser operar a banda larga pela tomada. A Aneel manterá a proibição de que as empresas do setor ofereçam o serviço diretamente, contrariando a posição das distribuidoras, mas há uma flexibildidade. Isso porque essas empresas poderão entrar no mercado de internet através de uma pessoa jurídica criada especificamente para isso.
Nesse ponto, por sinal, está o ajuste pedido pelo presidente da Aneel, Nelson Hubner, à área técnica da agência: a exigência de ampla publicidade, por parte das distribuidoras, de que há oferta de infraestrutura para a transmissão de dados. Mas pelo ânimo já demonstrado por parte dessas empresas, o 'aluguel' da rede não deve ser o foco do negócio e sim, como mencionado, a oferta de banda larga pelo setor elétrico, numa concorrência para as operadoras de telecomunicações.
Daí uma regra que não estará expressa no novo regulamento, mas que segue o padrão já adotado no setor - a receita extra da concessão do serviço de energia elétrica deverá ser majoritariamente destinada à modicidade tarifária. Assim, de cada R$ 10 arrecadados com a prestação de serviços de internet, R$ 9 entrarão como ganho de produtividade na fórmula que define a tarifa de energia. O R$ 1 restante é que será a receita com a banda larga.
Ainda que sejam necessários investimentos para a prestação do serviço de internet, a leitura da Aneel é de que os equipamentos que permitem o PLC estão cada vez mais baratos e eficientes, além do fato das redes de energia em si estarem amortizadas. Daí a visão de que mesmo com o privilégio à modicidade tarifária, a partilha da receita ainda deixará o negócio Internet interessante para as empresas.
A proibição de oferecer internet diretamente criará, porém, um entrave legal para as distribuidoras - os contratos dessas empresas, donas da rede elétrica, com a prestadora de banda larga deverão, obrigatoriamente, passar pelo crivo da Aneel quando se der entre firmas do mesmo grupo. Ou seja segue a regra de contratos entre partes relacionadas, que precisam de autorização do órgão regulador do setor, como previsto na resolução 334/08 da agência.
Modelo de custos
Após a regulamentação do PLC, a Aneel passa a se debruçar sobre um assunto que até pouco tempo era tabu na agência: o estudo de um modelo de custos para a oferta da infraestrutura. A Anatel já tinha tentado que a reguladora de energia entrasse nessa seara e definisse um teto para o que as distribuidoras podem cobrar pelo 'aluguel' da rede, mas a Aneel alegava não ter competência para tal.
Essa interpretação mudou dentro da agência, que agora entende ser possível elaborar um modelo de custos. Estudos técnicos sobre isso já estão sendo analisados, mas a definição desse modelo ainda é uma incógnita. Há interesse em que seja definida uma faixa de custos pelo aluguel da rede, mas a agência pode acabar concluindo ser inviável determiná-la.
Caso isso aconteça será uma regra a ser expedida depois da definição do marco legal do PLC – assunto em condições de ser votado pelo conselho diretor da Aneel já nas próximas semanas. Se for por esse caminho, a Aneel definirá um prazo para que os contratos que já tenham sido assinados se adaptem à faixa de preços definida. A grande mudança, nesse caso, está na postura da Aneel que, até pouco tempo, não queria sequer falar no assunto.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Ministra mal educada, essa Dilma!





Oposição do jornalão.

Diz que a Ministra Dilma fez com que o Secretário do Ministério da Integração pedisse demissão para evitar maiores dissabores, já que a Ministra o destratou perante outras pessoas e isso reforça um grupo que acha que o PMDB deveria ter mais atenção com as grosserias da Ministra. Há um grupo pró apoio do PMDB ao PSDB. Esses acham que Dilma tem um gênio forte. (até que isso é bom, quem discorda?)
Vê-se acima, que há um sentido de intriga por parte do jornalão.

Que o Eiras afirma que no dia 24 (deve ser junho), diante de funcionários graduados e empresários ela o destratou em virtude de ter tratado de assunto quanto a Rodovia Transnordestina não mais ser inaugurada em 2010 e que argumentou que fosse revisto o cronograma de liberações do Fundo do Desenvolvimento do Nordeste cujos recursos estão comprometidos. Foi então que ela não gostou da sua intervenção.

Segundo o jornalão, Eira resolveu pedir demissão e voltar a ser Assessor Parlamentar e com isso evitasse bate-boca com a Ministra. (Deve ser moleza ser Assessor, não mesmo?).

O jornalão fala que alguns já viram o Presidente da Petrobrás chorando após ser humilhado por Dilma. ( Essa é boa desse jornalão: algumas, nunca os nomes, fica no “algumas pessoas”.

Que Marina Silva tirava a Ministra Dilma do sério devido as exigências que fazia com que houvesse atrasos nas obras. Que Paulo Bernardo, muito amigo de Dilma, sempre responde com bom humor às cobranças.

Mais do jornalão: Dilma não poupa adjetivos quando um trabalho não lhe satisfaz. Que imbecil é uma das palavras mais usadas quando não fazem bem determinados trabalhos solicitados.

Mas, se o sentido do jornalão é de falar coisas que possam deixar a imagem da Ministra em situação de não agregar, por outro lado desejando fazer mais criticas ou insinuar mais coisas que venha futuramente atrapalhar o sentido de bom relacionamento que um político deve ter, principalmente que está para ser a candidata à Presidência da República, apoiada pela situação, o que o jornalão fala de que ela fica intolerante com o desperdício de dinheiro público e ao cobrar cumprimento de tarefas, chega a ser mal educada. (Se o jornalão desejou desqualificada com pessoa deseducada, talvez nossas coisas de zelar pelo bem público, muitos até gostarão que ela seja mesmo mal educada. O povo já está cheio de gente do serviço público que não zela com aquilo que é de todos nós. (ponto para a Ministra).

Enfim, se o jornalão desejou fazer mais intriga, penso que não conseguiu. O povo até possa gostar.,Outro fato é dizer sempre que a reportagem procurou pelas pessoas envolvidas, mas não retornaram. (muito usual).


Quer saber de uma coisa? É isso aí, Ministra !!!


Os dois PMDBs
Copiei o texto abaixo do blog: http://edu.guim.uol.com.br - Por sinal muito bom!

José Serra solta seus cachorros midiáticos (Globo, Folha, Estadão, Veja e congêneres) em cima de Lula por estar ao lado de Sarney, mas, em São Paulo, Serra é aliado de Orestes Quércia e ninguém diz um A. Quércia vê na aliança com Serra a oportunidade de fazer as pazes com a mesma mídia que o destruiu politicamente na década passada, e esta esquece do que disse sobre o peemedebista. É o PMDB de Sarney que interessa pôr na berlinda. Isso merece um post, aliás.


Arthur Virgílio também é pato manco

Virgílio, que habitualmente faz discursos exaltados, falou em voz baixa e afirmou que vê que "cada vez mais se fecha o cerco" ao presidente do Senado. "Ele terá que dar explicações", disse o líder tucano, acrescentando que Sarney agora "certamente terá o apoio do seu partido e do partido do presidente Lula (o PT)". O tucano pediu que a reportagem de hoje fosse registrada nos anais da casa.

 

Revista IstoÉ

Esse é mais um fato que também o senador por amazonas deve explicação, ou seja , tudo que a revista têm publicado, que de inicio não foi dada a devida atençao pelos demais ógãos da midia, mas agora Arhur Virgilio teve que reconhecer, que teve ajuda financeira de Agaciel Maia e também teve assessor pago pelo Senado, para que ele “fizesse curso na Espanha”.

Há quem diga pelos bastidores do PSDB, de que tudo leva a crer que possa ter algo mais contra Arthur Virgilio e, se de fato vir ocorrer, sua postura de Líder ficará comprometida, também, tanto como ele fala da saída de Sarney. Sua posição dentro do partido não é tão boa, como ele deseja transparecer que seja.

Blog de César Maia

01 de julho de 2009

CIRO GOMES: NEM DILMA, NEM SERRA QUEREM!

1. Paradoxalmente, as avaliações políticas dos cardeais próximos a Lula/Dilma e a Serra são as mesmas quanto a Ciro Gomes: não aconselham estimular a candidatura dele e manobram para que não ocorra. A coluna Radar, da Veja, garante que Lula já está convocando o PT de SP para que recue e aprove a candidatura de Ciro Gomes a governador. Do outro lado, já que não há o que fazer, ficam observando e torcendo para que Lula tenha sucesso.

2. Quais as razões de um e de outro lado? Do lado de Lula, as avaliações têm dois eixos. O principal é o Nordeste. Ciro vai dividir o estratégico Nordeste com Dilma. E sempre há a preocupação que se a candidatura de Ciro a presidente se tornar viável para o segundo turno, esse se diferencie de Dilma, atacando. O entorno de Lula quer um segundo turno no primeiro, ou seja, uma eleição PLEBISCITÁRIA: a favor ou contra Lula. Mais ainda agora, quando se diz que Heloisa Helena será candidata ao senado.

3. No caso do entorno de Serra, a preocupação é com a agressividade de Ciro. Especialmente porque as eletricidades recíprocas, nas declarações à distância, produzem sempre curto-circuito. O temor é que essa agressividade desvie a campanha do ambiente melhor para Serra: uma campanha propositiva e de comparação de currículos.

ONDE ESTÃO

Onde estão?

Nesses momentos tão tumultuados, onde muitos são pretendentes a reeleição em 2010, como é o caso de muitos senadores e, por outro lado, tanto a oposição como certos meios de comunicação, tudo que JÁ HAVIA lá no Senado, somente em momentos como esses é que levantam o tapete e tentam empurrar a sujeira para o colo do mais frágil, que ontem já foi tudo nessa vida política. Todos sabem que Sarney já está em final, então, pelo seu nome, inclusive no passado se serviram dele, agora o descartam como guardanapo fosse: usou, amassou e lixo. Mas no fundo, ele como outros merecem.

Certa mídia e a oposição, tenta de todas as maneiras jogarem um contra o outro, no caso o PT contra o Presidente Lula. Dirigem mais ao PT, pois não cabe no momento, uma agressão mais direta a quem tem 80% de aprovação popular.

Mas, diante dessa barulheira toda, de onde, infelizmente nada de relevante sairá, a não ser o barulho para 2010, sendo que um acusará o outro de atrapalhar as investigações, mas quem acompanha tudo mais de perto, está observando que alguns arautos da dignidade estão omissos e quando tudo estiver com mar menos revolto, surgirão do túmulo do silencia. Eis alguns nomes que desapareceram do picadeiro: ELE, o JARBAS VASCOCELLOS, César Borges- Antonio Carlos Júnior – Eduardo Azeredo – EFRAIM MORAIS – Flexa Ribeiro – Gerson Camata – Kátia Abreu – MARCO MACIEL – Romeu Tuma – TASSO JEREISSAT e outros mais.

Finalizando, infelizmente tudo isso por razões e desejos de poder. “O TAPETE ESTÁ A ESPERA. BASTA QUE SEJA ACIONADA A VASSOURA. (TODO TEM CULPA)

Pedro Bueno.

03 de julho de 2009.

Itamar em 15 de outubro de 2002.


15/10/2002 às 20:56:22 - Atualizado em 19/07/2008 às 15:18:22

Itamar ataca Serra e prevê derrota pior ainda no 2.º turno
Agência Estado
O governador de Minas Gerais, Itamar Franco, soltou o verbo hoje contra o presidenciável do PSDB, José Serra, acusando-o de disseminar "inverdades" e de ter "bombardeado" o Plano Real no seu início. "Ele nunca apoiou o Plano Real. Posso dizer porque fui presidente da República. Desde o início ele tentou bombardear o plano", declarou Itamar, ao chegar a Brasília, onde reúne-se amanhã com o petista Luiz Inácio Lula da Silva e depois com o presidente Fernando Henrique Cardoso. Saiu até em defesa do presidente, ainda que de forma indireta.

"O candidato Serra quer viver à sombra do presidente, mas tem medo de sair às claras, ao sol, e dizer: 'Sou o candidato do presidente'. Ele acha isso uma coisa vergonhosa. Por que ter vergonha de ser o candidato do presidente?", questionou o governador mineiro. Segundo Itamar, "se Serra fosse um homem verdadeiro, deveria defender a política deste governo, ao qual serviu por oito anos, ou dizer o que realmente pensa".

Ressaltando que não criticava a pessoa de Fernando Henrique, Itamar afirmou que a atual política econômica resultou em "empobrecimento dos municípios, dos Estados e da população". Acusou o ministro da Fazenda e o Banco Central de tentarem esconder os erros cometidos e obrigar os candidatos à Presidência a seguirem o mesmo caminho.

"Há um desvio na rota da ordem econômica que vai precisar ser alterado", disse o governador. "Chega hora em que o povo quer mudar." Cabo eleitoral de Lula, para quem gravará mensagens de apoio amanhã, Itamar prometeu que "em Minas, o Serra vai ter uma derrota pior do que teve no primeiro turno". Segundo ele, o arco de alianças em torno do petista deve se ampliar neste segundo turno em Minas, onde Lula já obteve 53% dos votos válidos.

O governador disse ainda que o presidenciável do PSDB mente ao dizer que criou os medicamentos genéricos, porque isso teria ocorrido durante seu mandato, através de um decreto. "Ele deveria ter a decência de dizer que os genéricos surgiram no governo Itamar, não pelo Itamar, mas pelo grande ministro da Saúde que foi o Jamil Hadad", afirmou Itamar.

O ex-presidente também queixou-se da afirmação feita por Serra durante o primeiro turno, atribuindo a Itamar a privatização da Light e da companhia elétrica do Espírito Santo, ocorrida no governo Collor de Mello, quando Itamar era seu vice. ‘Ele falou uma deslavada inverdade, não sei um vocábulo mais forte do que este‘, disse o mineiro. ‘Eu não privatizei em meu governo nenhuma empresa de energia elétrica.‘

Amanhã Itamar reúne-se com o presidente para discutir a situação financeira do Estado. Segundo ele, a dívida de Minas Gerais era de R$ 18 bilhões quando ele assumiu o governo estadual e, quatro anos depois, já chega a R$ 28 bilhões apesar de já ter pago R$ 8 bilhões ao Tesouro Nacional. Segundo ele, o vice de Lula, José Alencar, tem um projeto que reduz o comprometimento dos gastos dos Estados com a dívida de 13% da receita líquida para 5% e que poderá ser adotado no caso de vitória do petista

E Itamar Franco, nada?

Veja vídeo: Itamar diz que FHC quis se apropriar do Real
3/julho/2009 13:15
Para atender a sugestão do amigo navegante Mario Lucio Oliveira, assista à entrevista de Itamar Franco sobre a tentativa de Fernando Henrique de se apropriar do Real.
(Como se sabe, Zé Pedágio foi contra o Real desde o início. Clique aqui para ver)
ESTE DOCUMENTARIO COM O DEPOIMENTO DO PRESIDENTE ITAMAR FRANCO DÁ AOS BRASILEIROS A VERDADE SOBRE A FARSA DO FHC QUE MENTE SER O CRIADOR DO REAL.
SUGIRO DIVULGAÇÃO NO CONVERSA AFIADA

Maysa Matarazzo

Um pouco de Maysa.

Maysa Figueira Monjardim nasceu em São Paulo em 6 de junho de 1936 e morreu aos 40 anos de idade no dia em 22 de janeiro de 1977 vitima de um acidente de carro na ponte Rio-Niterói.Maysa era atriz, cantora e compositora. Maysa foi uma mulher de destaque em sua geração tanto pelo seu sucesso, seus exageros e escândalos.Com dezoito anos, Maysa se casou com o empresário André Matarazzo que era 22 anos mais velho que ela. Com André a cantora teve seu único filho, Jayme Monjardim, que atualmente é diretor de novelas e cinema.O filho de Maysa foi criado pela avó.Por se opor à sua carreira musical, Maysa se separou de André Matarazzo e teve vários outros relaciomentos: com o compositor Ronaldo Bôscoli, o empresário Miguel Azanza, o ator Carlos Alberto e o maestro Julio Medaglia.O primeiro disco de Maysa foi lançado em 20/11/1956 pela RGE.Os fãs da cantora e os que ainda não a conhecem poderão acompanhar a trajetória de vida dessa grande mulher na minissérie Maysa – quando fala o coração, que estréia nesta segunda dia 5 pela Rede Globo.A atriz Larissa Maciel interpretará Maysa. Filhos do diretor da minissérie Jayme Monjardim, André Matarazzo, de 10 anos, e Jayme Matarazzo de 22, vão interpretar o pai na minissérie.
EU:
Esta mini-série teve sucesso, o que não poderia ser diferente, visto que até mesmo gerações mais novas ao ouvir uma música cantada por Maysa, mesmo não sabendo quem tenha sido, logo se apaixonam e procuram se informar.

video

César Maia e sua matématica.

03 de julho de 2009
A IMPORTÂNCIA DE MINAS GERAIS EM 2010!

1. Em grandes números, o Nordeste tem 20% dos eleitores e SP um pouco mais apenas. É provável que eleitoralmente se anulem em 2010. O Sul tem uns 15% e o NO/NE uns 10%. Aqui, o candidato a presidente da oposição, levará vantagem sobre 5 pontos, digamos, uns 30 pontos ou 1,5% sobre o total. No Estado do Rio, com triplo palanque, é provável que a candidata do governo equilibre o jogo.

2. Portanto, a eleição terá Minas Gerais como seu palco principal e decisivo.

3. Em 2006, se Alckmin tivesse tido em Minas Gerais a votação de Lula, e vice-versa, a eleição teria sido basicamente empatada no primeiro-turno. Não basta a oposição estar formalmente unida em Minas Gerais. Ela tem que estar organicamente unida e, mais que isso, motivada e jogando-se inteira pela candidatura presidencial da oposição.
Bueninho pensa:
A crise atual lá no Senado, nada mais é que uma maneira de fazer Lula se indispor com o PT e mais ainda, torcendo ferrenhamante que o PMDB abandone o projeto Dilma e caia nos braços de Serra. Essa mesma oposição faz carinha de inocente, sabe muito bem que esses erros lá no Senado, já vem de longa data.


Minas Gerais e seus filhos simples.







Se fosse anexar mais fotos, não caberiam nesse pequeno espaço. Apenas estão algumas aqui para que eu possa render minhas homenagens ao meu irmão Antônio, mais ainda a minha cunhada Regina, que além de batalhadora, ainda lhe sobra tempo de ter bom gosto.
Aos poucos vão realizando seus sonhos que é de a cada ano quem visitar o sítio, verá coisas novas. Simples, como não poderia ser diferente, pois é próprio da gente mineira.
Pedro Bueno

A nova carteira de identidade.

Pelo visto em breve estaremos livres de uma série de documentos que enchem muito nossas carteiras. Isso é bom!

Por acaso você tem algo que eu possa colocar no meu blog?


video

Adivinharam quem seja?

Tem colunista em favor do Serra que nunca daria essa noticia. (ou melhor: blog)

Me parece noticia requentada, mas...

Eu já li em algum lugar essa noticia, mas é dessa forma que se faz, quando há interesses políticos por detrás dela. Requentam e pouco muda. Na original diz que Gabrielli até já chorou com as broncas da Dilma. Essa é boa!

Temperamento de Dilma alarma aliados
De Isabel Braga e Luiza Damé:
O pedido de demissão do secretário-executivo do Ministério da Integração Nacional, Luiz Antonio Eira, após um desentendimento com a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), preocupa peemedebistas.
Para os que defendem o apoio do partido à candidatura de Dilma em 2010, episódios como esse, em que ela foi grosseira em público com o funcionário, reforçam o argumento dos que querem a aliança com o PSDB de José Serra e os que têm um pé atrás com Dilma devido a seu gênio forte.
Numa audiência para discutir obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em que estavam Eira, outros funcionários graduados do governo e empresários, no último dia 24, Dilma teria sido extremamente mal educada ao reagir, aos berros, a um comentário do secretário-executivo do ministro Geddel Vieira Lima (PMDB).
Diante da informação de que a Ferrovia Transnordestina não seria mais concluída em 2010, Eira argumentou que seria importante rever também o cronograma de liberações do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste, cujos recursos estão comprometidos com a obra. Dilma não gostou da intervenção.
Eira disse a colegas do ministério que, para não iniciar um bate-boca com Dilma, optou por deixar o cargo e voltar a ser consultor na Câmara dos Deputados. Avisou a Geddel e apresentou sua carta de demissão esta semana, em caráter irrevogável. Geddel está em Salvador e, segundo sua assessoria, não falaria sobre o caso. Leia mais em: Temperamento de Dilma alarma aliados. Broncas públicas em ministros e assessores podem dificultar alianças

quinta-feira, 2 de julho de 2009



A ficha de Arthur caiu !

Quinta-Feira, 2 de Julho de 2009
Notícias
Home > Notícias
01/07/2009 - 15h36
Virgílio vai restituir ao Senado valores pagos a assessor no exterior
Mário Coelho
O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), disse há pouco em discurso no plenário que vai restituir o Senado pelos gastos feitos por um assessor dele na Espanha. Virgílio afirmou desconhecer quanto tempo o servidor ficou no exterior e a quantia exata a ressarcir a Casa. "Eu não tenho desculpa pra isso", disse o tucano, avisando que "dará um jeito para pagar" e que "deve vender imóveis" para isso.
Virgílio repetiu nesta quarta-feira (1º) o discurso que fez na última segunda-feira (29). Desta vez, na presença do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP),durante a sessão em homenagem à memória do deputado Dr. Pinotti (DEM-SP), que morreu nesta madrugada (leia aqui). Ele afirmou que seu gabinete está fazendo um levantamento dos valores gastos por seu assessor durante o curso na Espanha. O pronunciamento foi uma resposta às denúncias publicadas na última edição da revista IstoÉ. "Era dinheiro da nação que não podia ter sido usado dessa forma."
Ele também sugeriu que a comissão instalada no Senado para investigar os atos secretos quebre os sigilos bancário e telefônico do ex-diretor-geral do Senado Agaciel Maia. "Agora, que a comissão já tem um membro do Ministério Público, deve fazer isso", afirmou.

Comentar Ver Todos os Comentários
Bionicão (02/07/2009 - 10h40)
Lá dentro desse prostibulo, todos são iguais, ladrões, safados, bandidos, vagabundos, entre outras virtudes. Nessa zona não tem virgem, todos são como putas.
Antonio Carlos Heringer (01/07/2009 - 19h52)
Arthur "Último Tango em Paris" Virgilio tá, como se diz na terra dele, igual tucano de cú sujo. Sarney é safado. Renan é safado. E esse tucano emplumado também o é. Cassação pra eles.
antonio (01/07/2009 - 18h20)
E agora Virgílio? Você vendeu as passagens barato, o assessor comprou, vendeu para as agências de viagem e o povo pagou. E agora virgílio quem vai cobrar a farra da suas passagens e a farra da passagem dos outros? E agora Virgílio quem vai cobrar a farra das passagens com os cartões corporativos do Executivo? Para minorar o escândalo promova reformas políticas já!
Virgilio (01/07/2009 - 17h13)
Agora que a bomba estourou ele vai restituir, me engana que eu gosto senador picareta.
Virgilio (01/07/2009 - 17h13)
Agora que a bomba estourou ele vai restituir, me engana que eu gosto senador picareta.

Fonte: Concresso em foco.
Quando é que eles vão entender de Lula?

Enviado por Luiz Cláudio Cunha - coluna do Noblt
2.7.2009
19h35m
Artigo
Lula e o grande pensamento político
Nesta altura do campeonato, em que a política cada vez mais se apropria do universo futebolístico, é justo invocar o maior pensador político da nação - Antonio Franco de Oliveira (1906-1976). Era torcedor fanático do Botafogo do Rio de Janeiro e reinou na década de 40 nas areias de Copacabana como respeitado goleiro do Posto Quatro Futebol Clube, que calçava chuteiras número 44 e fazia defesas incríveis com as mãozonas que mediam 23 centímetros. Esta desproporção rendeu o apelido que lhe garantiu a imortalidade: Neném Prancha.
É dele uma frase que define neste momento, com precisão, o corintiano Luiz Inácio Lula da Silva, também presidente da República: “Quem pede, recebe. Quem desloca, tem preferência”. Lula entrou de sola no jogo de várzea do Senado, pediu a bola da crise e recebeu, redondinha, a esférica confusão em que se meteu o time nada amador dos senadores.
Do Rio, do Irã, da Líbia, onde encontrasse um microfone, Lula calibrava a voz e disparava um petardo no ângulo, em defesa incondicional de José Sarney, ‘o presidente que não é um cidadão comum’. Foi ao ponto de atropelar o time de seu partido no Senado, a bancada do PT, para fazer a bancada engolir a idéia de afastamento preventivo do presidente sob suspeita. O líder do PT, Aloísio Mercadante, com cara de bola murcha, teve que subir à tribuna para ensaiar uma explicação complicada para o recuo inexplicável.
Indiferente ao ditador líbio Muammar Kadafi, ao seu lado, Lula ligou da África para Sarney para pedir que não fizesse nada até conversar com ele, pessoalmente. Dissimulado como sempre, Lula voltou ao Brasil e disse que não tinha nenhum encontro com Sarney.
Lula segue, à risca, uma lei imutável de Neném Prancha: “Joga a bola pra cima, enquanto ela estiver no alto não há perigo de gol”. O barbudo do Planalto tenta tirar a bola do meio-de-campo do Senado para salvar o bigodudo do Maranhão. Existe uma lógica nesta jogada que o esperto Neném reconheceria com outra frase lapidar: “O importante é o principal, o resto é secundário”.
Traduzindo: Lula não está preocupado com a integridade física de Sarney. O presidente está apreensivo, na verdade, é com a saúde política de seu governo. E nada traduz melhor a deficiência técnica deste governo do que a constatação de que ele, hoje, está pendurado nos fios embranquecidos do octogenário bigode de Sarney.
A política de Lula é como o futebol para Neném Prancha: “É muito simples – quem tem a bola, ataca; quem não tem, defende”. Ao ver Sarney manietado em campo, com pés e mãos politicamente amarrados pela mão boba de seu pupilo Agaciel Maia, Lula percebeu que o amigo precisava de defesa, já que a bola não sai do campo da oposição. Sem ela, não restou ao presidente outra saída senão a defesa, intransigente, inegociável, inarredável.
Defender Sarney é defender o PMDB, que vai defender as cores governistas no campeonato presidencial de 2010, armado em torno da favorita de Lula e do PT – Dilma Roussef, o Fenômeno do PT, uma espécie de Ronaldo mais magra do time escalado por Lula para manter a mão na taça no próximo mandato. Acuado, Lula acusou a oposição de forçar a renúncia de Sarney como uma tentativa de ganhar o Senado no ‘tapetão’.
No jogo bruto da política, o país acabou descobrindo uma vocação irrefreável de Lula: seu apetite para entrar no jogo alheio, sempre pelo lado errado, permanentemente atraído pelas causas piores.
Fez assim para salvar Antônio Carlos Magalhães, quando o líder baiano se enrolou nas fitas do mega-grampo patrocinado por ele na Bahia e arredores. O pedido de cassação do Conselho de Ética foi interceptado, a pedido de Lula, com o providencial engavetamento na Mesa Diretora do Senado, presidida então – quem, quem? – por ele, José Sarney.
Lula fez de novo ao mover seu time do PT para salvar Renan Calheiros, enrolado em confusões extra-conjugais e bois não contabilizados, que ameaçaram jogar seu mandato no brejo. E Lula faz agora, outra vez, para salvar a cara rosada e a presidência mambembe do eterno Sarney, agora enrolado nos atos secretos e na parentada empregada com os bons augúrios do fiel Agaciel Maia.
Tudo isso Lula fez e faz em nome da governabilidade, esta santa palavra que tudo explica, justifica, ampara e protege. Lula desconhece, porém, um detalhe da sabedoria popular que Neném Prancha resumiu com a habitual simplicidade: “Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa”.
Só no Brasil e só no Governo de Lula, à exceção dos generais da ditadura, se mistura com tanta desfaçatez dois poderes que deviam ser autônomos e independentes: o Executivo e o Legislativo. Sarney, esperto, disse em nota que a crise — ‘que não é dele, mas do Senado’ — criou-se só porque ele apóia o presidente Lula. Pendurou-se, sem nenhum disfarce, nas barbas de Lula. Para um poder já emasculado pelas medidas provisórias que atropelam e abastardam o Congresso, não é surpreendente o gesto de desespero de Sarney.
Inesperada, porém, é a forma cínica e despudorada com que Lula intervém na crise do Senado, atravessando fronteiras políticas e éticas, humilhando ainda mais um Parlamento que já não consegue se safar, com suas próprias forças, das atrapalhadas em que se mete. É preciso que o presidente do Planalto socorra o presidente do Senado, em nome do quê? Da governabilidade, ora essa!
Lula não está inquieto com a roubalheira, os maus feitos, as negociatas, a má imagem e o desgaste do Senado. Está preocupado, apenas, com o amigo e a aliança que lhe dá fôlego e futuro político, sabe-se lá a que preço. O país não deve se preocupar com tudo isso, diz Lula, porque é tudo denuncismo da imprensa, que gosta de publicar só notícia ruim. Lula gostaria de ver todo dia manchetes, artigos e editoriais festejando os gols de Ronaldo e os títulos do Corínthians. Mas Neném Prancha poderia lhe ensinar que a política, como o futebol, é uma caixinha de surpresa.
Este conúbio de Lula com Sarney e do PT com o PMDB lembra outra frase definitiva de Neném: “Casamento é coisa muito séria para terminar nas manchetes de jornais”. A crise atual virou manchete de jornais. E elas podem terminar com este casamento. Neném Prancha já avisou, Lula.

Luiz Cláudio Cunha é jornalista


Deu no Noblat, mas... como ele já comeu barriga

dizendo neste dia 01/7 de que Sarney já tinha decidido pala saída...



Aécio admite acordo com Serra para candidatura em 2010
De O Globo: O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), admitiu nesta quinta-feira, pela primeira vez, a possibilidade de um acordo com o governador de São Paulo, José Serra, para a definição do candidato tucano à Presidência da República em 2010. Segundo Aécio,>...

Apelido: Bueninho - 2/7/2009 - 18:48Aécio no final das contas vai mesmo de senador. Vice será muito desprestigio depois de tantas falações.Outro caso:A oposição já começa a falar das viagens de Lula. Quanta vez Aécio já foi à New York este ano? Afora Copacabana toda semana. Liguem para o Palácio da Liberdade e peçam uma audiência com Aécio e terão como resposta: Meu senhor, somente no mês que vem isso mesmo a agenda está cheia. O Governador dá expediente apenas uma vez por mês. Ele está em negócios de governo, claro!
Prá que esta foto aqui?
Ah, é só para lembrar!





deu no correio braziliense
PT mira em herança do DEM na Mesa Diretora
Após rompimento do Democratas com Sarney, caciques petistas decidem atacar atos da Primeira-Secretaria, órgão que está há 20 anos nas mãos de ex-pefelistas
De Marcelo Rocha:
O PT partiu para cima do DEM, responsável pela área administrativa do Senado nos últimos anos, foco de algumas das irregularidades recém-descobertas.
A estratégia foi definida em encontro da bancada petista, que também avaliou ter outro trunfo na mão: o discurso do líder tucano Arthur Virgílio (AM), que admitiu na tribuna ter recorrido ao ex-diretor-geral Agaciel Maia quando o parlamentar teve problemas com o cartão de crédito durante uma viagem internacional.
Os dois movimentos petistas evidenciam o rearranjo de forças na Casa, embaralhado desde a eleição de José Sarney (PMDB-AP) para a Presidência em fevereiro. Naquela ocasião, PT e PSDB se juntaram para derrotar Sarney. A crise em torno do peemedebista, no entanto, acelerou esse processo, reaproximando PT do PMDB de um lado e do outro, DEM e PSDB.
Partir para cima dos democratas foi a saída encontrada pelo PT para conter a cobrança diante da postura amena adotada pela sigla no caso Sarney, acossado pela onda de escândalo — um neto dele, por exemplo, é investigado por ter intermediado crédito consignado oferecido a funcionários do Senado.
O líder do PT, Aloizio Mercadante (SP), lembrou que há 20 anos a Primeira-Secretaria, órgão mais importante da Casa após a Presidência, sempre esteve nas mão do DEM. “A crise é mais profunda e tem mais gente com responsabilidade”, disse o representante de São Paulo.
A Primeira-Secretaria cuida dos contratos com as empresas terceirizadas. A Polícia Federal investigou fraudes em contratações firmadas pelo Senado durante a gestão de Efraim Morais (DEM-PB).
Os policiais monitoram um lobista que, em troca de suposta propina, teria negociado o resultado das licitações, num total de R$ 35 milhões anuais.
O tal lobista assessorou Efraim no setor, tinha acesso irrestrito ao gabinete do parlamentar mesmo depois de desligado do setor e mantinha uma sociedade oculta com o democrata. Efraim nega envolvimento nas irregularidades.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

O que pensa bueninho

O que pensa bueninho

Aécio diz que vai se desligar do Governo de Minas em 9 meses

O governador de Minas disse que vai se desligar do governo em 9 meses, para disputar as próximas eleições. Aécio Neves confirmou a intenção em se candidatar à sucessão de Lula. No dia 6 de junho, os governadores de Minas Gerais e de São Paulo, José Serra, se reuniram em Belo Horizonte. Os dois pré-candidatos do PSDB para as eleições de 2010 afirmaram que não faz sentido discutir quem seria vice de quem, numa chapa puro-sangue do partido.
Serra deve vir ao Mato Grosso do Sul na próxima sexta-feira (3) para evento de entidade de cooperativa.
Em clima de muita cordialidade, no dia anterior, Serra negou no Palácio da Liberdade, que haja tensão entre ele e Aécio Neves. "Não há tensão nenhuma, é claro que há um entendimento e uma proximidade política e é claro que vamos estar juntos. Quem estiver apostando nisso (no confronto), vai perder, é aposta errada", afirmou.
Serra rejeitou a tese de formação de uma chapa puro-sangue tucana - em que os dois sairiam juntos, um para o cargo de presidente e outro para vice. "O governador Aécio tem todas as credenciais para ser candidato à Presidência da República. Não tem nenhum cabimento discutir quem vai ser vice do outro, isso não faz sentido", disse. Ele enfatizou que a hipótese nunca foi discutida com Aécio.
De acordo com o governador paulista, nenhum dos dois pré-candidatos tucanos à Presidência quer uma antecipação do processo eleitoral. Segundo ele, nas últimas eleições presidenciais não se tinha uma antecipação da campanha como é observado agora. Para Aécio, ambos têm muitas afinidades e uma visão de País parecida. "Seja o governador Serra, seja eu eventualmente o presidente da República, a certeza é de que os rumos traçados serão muito parecidos", disse o governador mineiro. Os governadores assinaram hoje acordos de substituição tributária, que estabelecem a cobrança de ICMS na origem de fabricação.

São bons de impostos.

São bons de mentiras: não estão em campanha.



(Com Band e Agência Estado)
Virgilio ainda tem condições?

Será que Arthur Virilio ainda terá condições de ser Líder do PSDB no Senado?

Virgílio vai vender imóveis para ressarcir o Senado
Na sessão do Senado presidida por José Sarney (PMDB-AP) que presta um tributo ao deputado federal pelo DEM, o médico José Aristodemo Pinotti, que morreu esta madrugada em São Paulo, Arthur Virgílio (AM), líder do PSDB, decidiu voltar a falar sobre as despesas de saúde de sua mãe pagas pelo Senado. O pai de Virgílio era senador. Morreu.
Aproveitou para revisitar as acusações publicadas contra ele na mais recente edição da revista IstoÉ (leia mais na nota abaixo). Por fim, anunciou que venderá imóveis de família para ressarcir o Senado pelo que pagou durante quase dois anos a um ex-servidor do seu gabinete, liberado por ele para estudar no exterior. "Era dinheiro da Nação brasileira que não poderia ter sido usado dessa forma", admitiu.
Enviado por Ricardo Noblat - do blog do Noblat
1.7.2009
PMDB vai tentar pôr Virgílio no paredão
A tropa de choque do senador Renan Calheiros (AL), líder do PMDB no Senado, leu e releu com lupa o discurso do líder do PSDB Arthur Virgílio (PSDB-AM) onde ele respondeu a diversas acusações publicadas na última edição da revista IstoÉ - entre elas, a de que em viagem ao exterior pagara despesas de hospedagem com dinheiro enviado pelo ex-diretor-geral do Senado, Agaciel Maia.
Outra acusação: a de que continuara a pagar o salário de um servidor do seu gabinete enquanto ele estudava em Barcelona. E mais outra ainda: a de que as despesas do Senado com o tratamento de saúde da mãe dele ultrapassaram o limite permitido.
O PMDB está convencido de que encontrou no discurso de Virgílio munição suficiente para atacá-lo com dureza - e, se for o caso, denunciá-lo ao Conselho de Ética do Senado por quebra de decoro parlamentar.
Virgílio é visto pelo PMDB do Senado como o algoz Nº 1 de José Sarney, responsável por seu enfraquecimento político e, ao cabo, pela futura renúncia ao cargo de presidente.
Tudo indica que o fogo de artilharia contra Virgílio começará a ser disparado esta tarde durante a rotineira sessão do Senado.

COMENTÁRIO
Certos políticos tradicionais, fazedores da carreira na política, ficaram tão habituados com os seus modos operantes inimputáveis, que transformaram ocorrências absurdas de uso e abuso ao alheio da Nação, como fato corriqueiro e normal. Não é à-toa que se espantam com as denúncias de um Estado Livre e Democrático, que avança dia a dia na direção da condenação dos seus atos corruptos. Agem com discursos hipócritas no púlpito do plenário da casa como se fossem inocentes e estivessem ofendidos. Isso tem que acabar.


Parlamentares também desconhecem origem da gripe suína e formas de contágio da doença, além de siglas como FGTS e BNDES


Eduardo Militão

Vários deputados desconhecem o valor do salário mínimo, atualmente em R$ 465. Foi isso que mostrou a edição de ontem (18) à noite do programa humorístico Custe o que Custar, o CQC, da Rede Bandeirantes (veja no vídeo acima).

O quadro “Controle de Qualidade” entrevistou cinco parlamentares. Somente um acertou o valor da remuneração básica do trabalhador. Em 22 de abril, a Câmara aprovou a redação final da Medida Provisória 456, que, desde 1º de fevereiro, reajustou o salário mínimo de R$ 415 para R$ 465 mensais.

O programa mostrou que dois deputados não sabiam a origem da gripe “A”, a popular gripe suína. Em vez de México, responderam que a doença tinha surgido na Europa. A palavra “pandemia” também era desconhecida por um parlamentar.

Siglas

Dois deputados não sabiam o significado da sigla FGTS, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, uma poupança que o empregador deposita mensalmente na Caixa Econômica para o trabalhador sacar em determinadas condições – como demissão sem justa causa ou financiamento da casa própria.

Outros três deputados não sabiam o que quer dizer BNDES, o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social. Quatro deles também não estavam a par de uma votação de uma Medida Provisória sobre um empréstimo concedido ao banco




Mas se fosse o Lula hummmm !!

Ser fosse o Lula que desse esta declaração... a oposição fariia a festa!


FH diz que há excesso de denúncias e lamenta crise no Senado

De Flávio Freire:
Ao comentar a crise no Senado, o ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (PSDB) disse ontem que a Casa tem que passar por um purgatório para conseguir se refazer diante da opinião pública, o que ele considera muito difícil. Fernando Henrique disse ver com tristeza este momento de descrédito, mas que senadores convivem com esses problemas há bastante tempo.
- Isso existe desde que o Senado nasceu, sempre há tendências desagregadoras - disse ele em entrevista à Rádio Bandeirantes, de São Paulo, para falar dos 15 anos do Plano Real.
- Vejo com tristeza, fui senador há muitos anos. Acho que o Senado entrou num momento de descrédito muito difícil para recuperar perante a opinião pública - comentou.
Sobre a declaração do presidente do Senado, José Sarney, de que o problema não era dele, mas da Casa, foi diplomático:
- Não sei se o problema é ele, não quero julgá-lo, não estou lá. Mas nada justifica. Fui senador e nunca participei de nada disso. Naquele tempo, era bem mais restrita a existência de abusos em cadeia - disse ele, para quem o Brasil vive exageros em relação a denúncias.
Em março, uma de suas filhas, Luciana Cardoso, lotada no gabinete do 1 secretário do Senado, Heráclito Fortes (DEM-PI), admitiu que não ia ao Congresso e trabalhava em casa porque "o Senado é uma bagunça".
Em abril, ela pediu demissão. Segundo o ex-presidente - que comentou o assunto espontaneamente -, a contratação de parentes por legisladores acontece em todos os países:
- É assim no mundo todo, mas não significa que não tenha que coibir, ter regras. Aqui no Brasil sempre se vai para o exagero. Qualquer caso é crime, ou em todos os casos é como se não houvesse nada. Uma democracia não existe sem regra clara.

terça-feira, 30 de junho de 2009

O que pensa bueninho#links#links

O que pensa bueninho#links#links


Continua o drama dos senadores.



Vendo esse vídeo, ficamos um tanto atônitos, mesmo já se sabendo que tudo é jogo de cena e que a maioria que fala tem mesmo o que esconder.
O senador Arthur Virgílio fez um tremendo esforço para justificar o que a Revista IstoÉ publicou sobre gente de seu gabinete também beneficiada por esse atos do Sr.Agaciel e mais outros casos famliáres.
Heráclito Fortes faz ouvido de mercador sobre o que lhe foi atribuído em reportagem publicada neste último domingo, dia 28, no jornal O Globo,onde se diz que ele usou por 58 vezes aviões do Sr, Daniel Dantas e que isso já tenha havido e um pouco comentado no ano de 2007 ou 2008.
Vejam que tudo parece que foi combinado e a encenação é por demais ridícula. Você acredita no que diz Heráclito Fortes? Em Sérgio Guerra, em Agripino Maia? Lógico que também não acredito em José Sarney, mas que foi um dia Presidente da República e sofre esse vexame todo não deveria nunca ter se candidato a Presidente desse Senado feio e sujo. Se bem que... para mim não tem ninguém certo nessa história,







Arthur Virgilio está deixando a midia...

Lúcia Hipólito foi menos parcial e deu um bom recado. Arthur Virgílio não deixou que ninguém se posicionasse a seu favor na mídia, por enquanto.
Uma coisa ele conseguiu que foi reduzir de 10 mil dólares, para 10 mil reais. Como estamos vendo certa comemoração do Plano Real, coisa nunca feita antes, ao menos que me lembre, ele, Virgílio, está conseguindo essa proeza de mudar de dólares para reais. Façamos de conta que acreditamos.


iframe src="http://www.cbn.com.br/Player/player.htm?audio=2009%2Fcolunas%2Flucia_090630&OAS_sitepage=cbn/comentarios/luciahippolito" width="478" height="190" marginheight="0" marginwidth="0" frameborder="0" scrolling="no" bgcolor="#CCCCCC">
Está na coluna do Noblat esses comentários:



Leia os comentários:
Frase do dia

Tem senador que acobertou esse corrupto [Agaciel Maia, ex-diretor-geral do Senado]] e deve ter usufruído da corrupção promovida por ele.
Enviado por Arthur Virgílio, líder do PSDB no Senado - 30/6/2009 - 1:43

Exibir 10 20 50 100 200 300 todos comentários.

Nome: Addolfo G Junior - 30/6/2009 - 10:32O senador Arthur Virgílio Cardoso tem desespero dos alucinados: a reeleição dele está em perigo.Depois que descobriram que o Senado o ajudou a resolver um probleminha com o cartão de crédito em Paris, e que ele empregava no Senado um professor de judô, passou a usar na tribuna a linguagem de um baderneiro.Quem devia ir para o Conselho de Ética era ele, porque Arthur Virgílio Cardoso não tem a compostura que se exige de um Senador da República.O senador Heráclito Fortes é mais discreto.As transcrições dos áudios da Operação Satiagraha e seu comportamento na CPI dos Correios o qualificaram de forma inequívoca como líder da Bancada Dantas no Senado.Raras vezes o Senador demonstrou a inclinação por Dantas de forma tão exuberante quanto os deputados Marcelo Itagiba e Raul Jungmann.Heráclito é mais discreto.Deve ter aprendido isso e apenas isso quando era “papagaio de pirata” de Ulysses Guimarães.
Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui

Nome: jose fernandes de macedo junior - 30/6/2009 - 10:28Caro Sr. Noblat:No Amazonas todos sabem que o Arthur está indo célere para o Balatal.(Seringal distante onde se envia os derrotados nas urnas). Não tem mais credibilidade, não tem apoio popular e, com a indisfarsável arrogância de sempre, escondida nessa manjada capa de "bom moço", pretende fazer-nos acreditar que não é imoral se apropriar de 10.000 reais (ou foram 10.000 dolares???) para usufruto pessoal em viagem ao exterior! Diria nossos cabloclos: "Mas quando, já??!!!"É espantosa a cara "compungida" desse "nó-cego" tentando convencer o expectador que foi "acidental" os bloqueios de todos seus cartões de crédito em Paris, justo no momento em que comemorava o aniversário de casamento!!. Mas, como diz novamente nossos sábios caboclos do interior amazonense: "Olha já, Seo Vergilio?Tu tá pensando que somos lezos??'"
Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui

Nome: luiz carlos berne - 30/6/2009 - 10:19eu juro que nao entendi, o cara teve um problema de cartao, se socorreu com o agaciel, atraves do NINA, ai o Nina se cotizou com mais dois ou tres e pagaram os dez paus, mas o artur nao diz que teria reembolsado os cotistas, criminoso igual aos outros, ou apenas um descuido, fatal, digamos
Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui

São os primeiros comentários publicados no blog de Noblat. Os restantees vão na mesma linha.

30 de junho de 2009
ED MURROW: "A FRONTEIRA ENTRE A INVESTIGAÇÃO E A PERSEGUIÇÃO É UMA LINHA TÊNUE"! Trechos da coluna de Cesar Maia na Folha de SP de sábado, 27/06: Ken Starr e Joseph McCarthy. 1. Hoje os registros de escândalos políticos são feitos com imagens, vozes e documentos gravados, multiplicáveis ao infinito. Investigados e investigadores são atores deste drama. As pessoas e meios de comunicação podem ser parte desses processos, investigando, denunciando ou opinando. A luminosidade dada a certos fatos, destacando os que investigam, denunciam e acusam, algumas vezes os atrai para o "estrelato" e o objetivo passa a ser a autoexaltação. 2. Dois documentários tratam de situações desse tipo. Um deles, "A Caça ao Presidente", de H. Tomason e N. Perry, é sobre o promotor que tratou por anos de escândalos com Clinton. O outro, "Os Anos McCarthy", especial da CBS com Walter Cronkite, é sobre o embate entre o legendário jornalista Ed Murrow e o senador McCarthy. No primeiro, a "estrela" era o promotor Ken Starr, investigador pleno da vida de Clinton, das amantes até o caso Whitewater (um negócio imobiliário do qual os Clinton participaram). A busca desesperada por depoimentos terminou com polpudas indenizações às "namoradas", com um suicídio e a condenação a dois anos de prisão de quem nada tinha a ver com nada. 3. O senador Joseph McCarthy (1950 e 1954) abriu fogo contra tudo e todos os que poderiam ter qualquer relação com o que ele entendia por comunismo. Ed Murrow -com seu foco no detalhe- destacou dois casos de pessoas simples incluídas pela mente doentia de McCarthy: um tenente expulso da Aeronáutica; uma servente que teria trabalhado no setor de decodificação do Pentágono. Ed Murrow desintegrou as duas acusações, gerando uma solidariedade ampla com os acusados ("poderia ser qualquer um de vocês"). 4. O tenente foi readmitido. A servente não havia trabalhado no setor -era homônima. Desmoralizado nos dois casos, McCarthy declina e termina denunciado pelos excessos, no próprio Senado. Ed Murrow, na última locução sobre o caso, olhando como sempre para a câmera, em diagonal, de baixo para cima, arrematou: "A fronteira entre a investigação e a perseguição é uma linha tênue". Anos depois, essa mesma máxima serviu para vestir Ken Starr.

Michael Jackson era um rico pobre.

Desde criança perdeu toda sua liberdade. Talvez meninos da sua idade sem nenhum dinheiro ou fama, tenha tido uma vida melhor do que a de Michael, pois ao menos tiveram liberdade.

Michael, pelo pouco que conheço de sua história, foi em vida, "um rico pobre", pois não desfrutou nada de puro que esta vida pode nos dar. Lógico que a cada um ao menos um pouquinho de coisas boas,mas a Michael já era tolhido de tudo desde criança.

Michael era rodeado de interesseiros que o levaram,penso, "a prisão de um esquema". Ele era a "MAQUINA DE FAZER DINHEIRO".


Heráclito Fortes agora premiado pela Folha.

Primeiro-secretário do Senado, o senador Heráclito Fortes (DEM-PI) emprega um assessor que também faz lobby por uma empresa especializada em intermediar convênios de prefeituras do Piauí com a União. É o que mostra reportagem de Fábio Zanini publicada na Folha (íntegra disponível para assinantes do UOL e do jornal).
Com a crise, Heráclito assumiu funções que antes eram exclusivas do presidente do Senado, como exonerar e nomear diretores, e virou uma espécie de "gerente da crise" ao indicar nomes para as comissões que investigam servidores.
Alcides Gomes Muniz Filho, assessor do gabinete pessoal de Heráclito desde 2003, já representou a Planacon Planejamento e Assessoria de Projetos Técnicos, de Teresina (PI), pelo menos três vezes em Brasília --como ele próprio admite. Muniz nega a existência de lobby: "Favor é uma coisa, lobby é outra bem diferente".
Fundada há cinco anos, a Planacon atua em várias frentes: ajuda prefeituras a preparar convênios com diversos ministérios e a prestar contas. Também participa de licitações federais para supervisionar a execução de obras. De 2005 a 2009, o faturamento da empresa saltou de R$ 153 mil para R$ 1,89 milhão.
Leia a notícia completa na Folha desta terça-feira, que já está nas bancas.
Assine a Folha

É por isso que Lula é adorado pela maioria do povo.

Principalmente a elite ri muito com essas sátiras que fazem com o Presidente Lula. Pensam que o desagradam, mas muito pelo contrário, até imagino que seja isso que ele e sua turma de marketing mais gostam.
Quanto ao povo de um modo geral? Também adora esses tipos de gozação, que para muitos é Lula que está fazendo gozação com a turma da av. Paulista.



segunda-feira, 29 de junho de 2009

Serra cheio de dúvidas.

Pelo que foi publicado hoje no Valor Econômico, esta cena pode-se repetir, mas se bem que, de outra forma, a mais previsível que é da desistência de Serra se candidatar à Presidencia e partir para uma reeleição para o governo de São Paulo.

Se por acaso a economia der de fato um sinal de crescimento ou alcançar de 1% a 2% neste ano de 2009, tudo levará crer que 2010 nunca será menos de 4%, daí então Dilma terá um crescimento vertiginoso na preferência do eleitor.

José Serra fala, (está no Valor Econõmico), de que somente em março de 2010 resolve se vai concorrer à Presidencia, ou vai para a reeleição. Mas pra que tanta dúvida com 40% de preferência, segundo as pesquisas? Se eleito, será esse o Presidente receioso que o Brasil terá?



Miriam Leitão, futura Ministra

E Miriam Leitão, talvez menos de 30 minutos já tinha uma matéria no seu blog depois da apresentação de todos os Ministros, achando que muito pouco foi apresentado, que poucos resultados práticos serão realizados e que o governo não exigiu contra-partida.

Acho que Miriam tem um bom informante dentro do governo, que deve antecipar as medidas a serem anunciadas, se bem que algumas já se fazia comentários, mas nem todas.

Miriam, tem toda a fé de que será ou Ministra da Fazenda ou do Planeamento de um suposto governo Serra. Eu disse suposto.



Será que Serra ainda tem receio de não emplacar com a mesma pesquisa? Está vacilante demais e...

Serra diz que só decide em 2010 e imobiliza sucessão
Serra diz a Lula que só decide em 2010
Autor(es): Raymundo Costa e Cristiano Romero
Valor Econômico - 29/06/2009

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), disse ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante encontro há duas semanas, que só tomará uma decisão sobre uma possível candidatura presidencial em março de 2010, quando expira o prazo para desincompatibilização. Serra, segundo apurou o Valor, disse a Lula que pode, inclusive, optar por não sair candidato.
O governador paulista deixou a impressão, no Palácio do Planalto, de que só lançará sua candidatura se concluir que tem condições de bater o candidato de Lula - até o momento, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, cuja candidatura ainda é vista com desconfiança até por aliados. Serra não está disposto a perder o mandato de governador do Estado mais rico do país para entrar numa "aventura". Neste momento, ele lidera todas as pesquisas de opinião, mas sabe que o presidente Lula vai fazer tudo para eleger Dilma.
"Posso ser candidato?", indagou recentemente o governador em conversa com uma pessoa de suas relações. Ele mesmo respondeu positivamente, mas com uma ressalva: "Posso, sim, mas é uma balela essa história de que sou candidato de qualquer maneira". Fez uma pausa e depois enfatizou, segundo relatos feitos ao Valor: "Isso não existe". O comentário, feito a mais de uma pessoa, chegou a petistas e pemedebistas, que procuraram caracterizá-lo como receio de enfrentar um candidato apoiado por um presidente forte. Entre os tucanos acredita-se que Serra está apenas fazendo jogo de nervos, pois considera que pode bater Dilma tanto quanto bateu Marta Suplicy em São Paulo em 2004.
Na avaliação que faz da crise econômica aos tucanos, Serra diz que "a queda forte" da economia já aconteceu, mas que em 2009 o crescimento será negativo. Melhora, mas apenas um pouco, no próximo ano. Trata-se de uma avaliação inteiramente diferente da feita pelo governo, que aposta em crescimento acelerado em 2010, fato que beneficiaria Dilma Rousseff. A crise teve reflexos negativos na arrecadação de São Paulo, mas, enquanto outros Estados tiveram de cortar investimentos, o cronograma de obras paulistas mantém o ritmo - São Paulo, alega Serra dispõe de recursos provenientes de concessões, financiamentos externos, venda da Nossa Caixa e da folha-salário, portanto, não depende apenas da receita corrente.
Serra sempre se recusou a antecipar a disputa sucessória. Para governar, ele precisa ter um bom relacionamento com o governo federal. Em dois anos e meio de mandato, teve a maioria dos seus pleitos atendida pelo presidente Lula e pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. Obteve, por exemplo, três autorizações para elevar o endividamento do Estado e, assim, aumentar a capacidade de investimento em obras.
Serra prima por uma política de boa vizinhança com Brasília, fazendo oposição discreta a Lula, algo que durante algum tempo parecia uma estratégia de Aécio Neves, governador de Minas Gerais e seu concorrente na briga interna do PSDB para ver quem enfrentará o candidato de Lula em 2010. Quando critica publicamente o governo, Serra se limita às políticas monetária e cambial, das quais discorda desde o primeiro mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso, seu colega de partido e um de seus mentores políticos. Nas conversas reservadas, Serra revela um visão do governo Lula muito menos condescendente.
O governador acha que a campanha presidencial foi antecipada em demasia pelo presidente Lula. Ainda assim, ele quer que a decisão do PSDB fique para 2010. Para Serra, a antecipação da campanha não significa que as análises são mais ricas. O raciocínio é que, a mais de um ano da eleição, é difícil saber como estarão os principais atores da sucessão no início do próximo ano.
Em política, um ano é muito tempo, diz Serra a seus aliados do PSDB. De fato, um retrospecto da história recente do país dá razão ao governador. Em abril de 1988, o que se sabia sobre a eleição de 1989? Era impossível imaginar, na ocasião, que o pleito seria decidido no segundo turno entre os dois candidatos mais improváveis - Fernando Collor de Melo e Lula. O mesmo se deu nas eleições seguintes (excetuadas as duas reeleições, de 1998 e 2006).
No PSDB, as opiniões estão divididas sobre a antecipação da campanha presidencial. Há quem considere, como Aécio Neves, que os tucanos devem dinamizar o processo para ocupar espaço. Mas há também quem considere isso absolutamente secundário. Os tucanos, na verdade, tiraram proveito do programa eleitoral, na semana passada, e farão isso a partir desta semana com a celebração dos 15 anos do Plano Real.
Os defensores do adiamento da campanha acham que Lula poderia fazer tudo o que está fazendo agora em três meses de 2010 - a partir de julho de 2010, por exemplo, a TV Globo entrevista todos os dias os candidatos no "Jornal Nacional", o programa de maior audiência no país. Em seguida há o registro das candidaturas e, por fim, o horário eleitoral gratuito na TV, eventos mais do que suficientes para tornar conhecidos os candidatos. Serra é partidário dessa tese, mas, como já é visível a olho nu, os tucanos preferiam combinar as duas estratégias.
Um exemplo sempre citado é o do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), que partiu de um baixo patamar de conhecimento e chegou ao segundo turno da eleição de 2008 à frente da ex-prefeita Marta Suplicy. Alguns tucanos avaliam inclusive que a longa exposição de Dilma, pelo contrário, pode até ser pior e causar um desgaste prematuro de sua candidatura. Principalmente se o PT, temendo uma derrota, repita erros do passado recente.
O empenho dos tucanos, neste primeiro semestre, foi começar a pavimentar o caminho para fazer boas alianças para 2010. Há uma explicação para essa estratégia. O Rio de Janeiro, por exemplo, pode ser uma pedreira para o PSDB, se o julgamento ficar por conta dos números que ele teve no Estado em 2002 (pior, só no Ceará de Ciro Gomes, então candidato do PPS). Naquele ano, além da onda vermelha, Serra enfrentou o candidato local à sucessão, o ex-governador Anthony Garotinho. Tinha um palanque fraco. Agora, pode contar com os palanques do deputado Fernando Gabeira (PV) para o governo ou para o Senado e do ex-prefeito César Maia. E até de Sérgio Cabral, se o PT tiver candidato próprio para governar o Estado ou não apoiar a sua reeleição.
Serra prefere dedicar a maior parte do seu tempo à administração de São Paulo, adotando medidas que ele acredita que darão substância ao discurso de uma possível candidatura em 2010. Ele vê no embate da eficiência um grande diferencial com a possível candidata do presidente. O governador acredita que fez, em menos de três anos, muito mais do que o governo Lula em quase sete anos.
Embora esteja dedicado à administração de São Paulo, Serra não descuida do projeto político. Está sempre com Aécio, para desfazer intrigas dos adversários, mas sobretudo dos próprios correligionários. Aos poucos, vai sedimentando uma relação de confiança com o neto de Tancredo Neves. Recentemente um interlocutor perguntou a Serra se, a exemplo de Lula, Aécio também não antecipara a corrida sucessória. Serra foi elegante: para ele, foi "uma coisa de muito menor peso", se comparada à movimentação de Lula.
Com gestos assim o governador paulista tenta assegurar que os eleitores de Minas ficarão efetivamente com a sua candidatura, caso haja um acordo com Aécio - no PSDB diz-se que é só uma questão de tempo. Serra quer evitar o que aconteceu em 2002, quando foi apoiado por Aécio, mas o governador mineiro ficou com um pé em cada canoa. A situação de Aécio em Minas também aconselha Serra a adiar a decisão sobre sua candidatura: como pretendente à vaga de candidato do PSDB, o governador mineiro mantém mais controle sobre a sucessão no Estado em 2010.
O PSDB, especialmente o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, insiste na tese de que uma chapa pura com Serra na cabeça e Aécio na vice é imbatível. Aécio tem dúvidas que devem ocorrer também a Serra, só que o paulista evita comentá-las mesmo entre os mais íntimos por entender que de modo algum pode ferir suscetibilidades que o afastem do governador de Minas.
Serra passou a acompanhar Aécio nas viagens aos Estados e também concordou com a proposta de realização de prévias para a escolha do candidato do partido, duas exigências de Aécio. Nada impede que os dois voltem a se bicar, mas a relação política entre eles está melhor do que em janeiro e fevereiro passados. Ambos estão empenhados nas articulações para a formação dos palanques regionais.
O PSDB acha que vai manter a votação que Alckmin teve nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Em São Paulo acredita que Serra será mais votado do que Alckmin foi em 2006. A avaliação é que, apesar do esforço do governo para penetrar no Sul, a região é naturalmente refratária ao PT, como demonstrariam as pesquisas encomendadas pelo partido. Agora os tucanos tentam equilibrar o jogo no Nordeste, um território predominantemente lulista.
Os recados de Serra ao Palácio do Planalto - de que só decide em 2010 e pode até não ser candidato - embaralham o quadro eleitoral, pois todos os partidos esperam uma solução definitiva para mapear seus movimentos - entre os atuais aliados de Lula ainda há quem duvide até de que Dilma será a candidata do PT. Confiante na recuperação da saúde da ministra, o presidente não tem dúvida de que ela será a candidata do partido.


Esses são os éticos da politica


Coluna do Noblat
Nome: Claudio Paiva - Email - 29/6/2009 - 11:13EU JA SABIA.....Agora que os podres do partido dodói da AV. Paulista aparecem, vão dar um jeito rapidinho de resolver toda a questão. O mínimo que o Noblat e a grande imprensa tinha que pedir, é coerência por parte do Arthur Virgilio, ou seja, que se afaste do cargo até que tudo seja apurado. Mas o que eu espero mesmo, é que a grande imprensa caminhe para apurar o senador Efraim Morais do DEMO. Este senhor que saiu a pouco pra dar lugar a outro DEMO, o senador Heráclito Fortes, dando seqüência a dinastia DEMO no controle da mesa diretora da casa junto com o PMDB, tem muito a explicar a nação. O problema é que é mais um político caro aos interesses dos moradores da Av. Paulista assim como todo o partido. Que falem mal do Pt e do Lula, o tanto que quiser, pode até mandar matar se quiserem, mas pelo menos uma única vez, pesquisem esses caras. Não sejam covardes e parciais a esse ponto. Ta tudo lá. Só não querem ver. Por quê?

Nome: Darcy Moroni - 29/6/2009 - 9:19Como é que é? Ele vai para Paris e pede grana emprestada no Senado, não sabe quem emprestou e diz que fez uma vaquinha para pagar????? Impressionante a cara de pau! Alguém em são consciência diria isso, pedi 10 m reais ou dólar, não sei que emprestou, e não sei se foi pago??? Fala sério: Esse Arthur Virgílio pensa que somos retardados, só pode.

Apelido: Diga_me - 29/6/2009 - 12:45A reportagem diz "empréstimos"... Então não era só para o Virgilio que o Agaciel emprestava. Era ele mais uma das empresas que transitam lá dentro para emprestar dinheiro. Seria melhor o Virgilio não ir à Tribuna hoje falar. Está parecendo com o rabo muito preso agora. Por que o assessor não fez a tal da vaquinha antes de pedir ao Agaciel? E o Agaciel emprestou do próprio bolso ou foi com dinheiro do Senado? O assessor também "não lembra"? Eita doençazinha contagiosa o Alzheimer.

Esses são alguns comentários que colhi da coluna de Ricardo Noblat, do jornal O Globo on-line do dia 28 de junho de 2009.



COMENTARIOS QUE LEIO EM JORNAIS.

Diante do que trás na coluna de Noblat, criticando Lula por dizer que a fiscalização deveria ser feita pelo Congresso, já que o TCU é composto de políticos, lá colocados por governos passados (votados e aprovados pelo Congresso), então que essas fiscalizações sejam logo feitas pelo próprio Congresso. (Dessa forma acaba-se aquelas indicações e nomeações políticas. Também Lula está no direito de dar suas opiniões, já que sente que determinadas obras estão sendo paralisadas em função das ações políticas existentes dentro do TCU

O comentário abaixo foi feito no blog do Noblat, dia 28 de junho de 2009 Por um leitor do blog do Noblat.

Acho que o TCU, aliás, como todos os Tribunais de Contas dos Estados são formados por ex-políticos, portanto com posições políticas sim. Então, os Tribunais de Contas podem realmente paralisar as ações de um governo, quando os interesses políticos assim o determinarem. A mídia deveria desvendar essa caixa-preta que são os Tribunais de Contas, mas também não o faz, porque não lhe interessa politicamente neste momento. São também os Tribunais de Contas que engavetam denuncias contra governantes, como é o caso do Rio Grande do Sul, quando o governo é do seu grupo político. O resto é bla, blá, blá!

Já esse comentário que se segue, foi colocado pelo leitor, no blog do Moreno.
Fui procurar nesse blog, pois já imaginava que Noblat nada teria sobre Arthur Virgílio, sobre o que escreveram dois colegas seus no jornal O Globo, domingo, dia 28.

Apelido: helio2 - 28/6/2009 - 14:47 “LÍDER DO PSDB NO SENADO, ARTHUR VIRGÍLIO (AM), ADMITIU ONTEM TER MANTIDO UM FUNCIONÁRIO FANTASMA EM SEU GABINETECarlos Alberto Nina Neto, que foi seu secretário particular, continuou recebendo salário da Casa quando foi morar no exterior. O senador reconhece o erro, mas afirma que o fato foi usado pelo ex-diretor geral do Senado Agaciel Maia para chantageá-lo. Nina Neto é filho de um amigo e assessor do tucano, Carlos Homero Vieira Nina." [O Globo. Merecia uma primeira página, junto à história do real] Eu não entendi! A chantagem que o senador sofre é causa ou conseqüência desses atos secretos e indecentes?Li a matéria um pouquinho mais para descobrir que os Nina são extensão dos Virgílio. Depois, que o Virgílio comia na mão do Agaciel.Mas, o Arthur é um cara honrado e vai se processar, que equivale ao haraquiri (RS, RS, RS...).Estou começando a achar que o Sarney é diferenciado, ou seja, parece que na competição de más ações, ele não ficará bem classificado.

29 de junho de 2009.

domingo, 28 de junho de 2009



VIRGILIO TAMBÉM TEVE FUNCIONÁRIO FANTASMA.

Dizem que a melhor defesa é o ataque e assim pensa o Senador Arthur Virgilio, pois há pouco mais de 15 dias fez severas criticas à Agaciel Maia e até ficou parecendo que o que ele dizia era verdade, chamando Agaciel de tudo que era adjetivo, mas negativo. Se bem que esse Agaciel não seja lá essas coisas, como toda imprensa comenta. Mas o Senador...

Hoje, porém, no jornal O Globo, deste dia 28 de junho de 2009, trás uma pequena matéria, na página 09 no caderno “O País”, que fala que o senador também cometeu erros tão graves quanto os demais que são lançados contra Jose Sarney.

Eis o que diz O Globo:

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgilio (AM), admitiu ontem ter mantido um funcionário fantasma em seu gabinete, Carlos Alberto Nina Neto, que foi secretário particular, continuou recebendo salários da Casa quando foi morar no exterior O senador reconhece o erro, mas afirma que o fato é usado pelo ex-diretor geral do Senado, Agaciel Maia para chantageá-lo. Nina Neto é filho de um amigo e assessor do tucano, Carlos Homero Vieira Nina A denúncia de que o tucano manteve um funcionário fantasma foi publicada pela revista IstoÉ.

Senador diz que pedirá investigação sobre si mesmo.

Virgilio afirmou que vai abrir seu sigilo bancário e que entrará com uma representação no Conselho de Ética contra si próprio para que sejam investigadas as denuncias, e contra o presidente do Senado José Sarney (PMDB-AP), e trabalhará na coleta de assinaturas para a CPI dos Atos Secretos.
-Cometo a idiotice de permitir que o filho de um grande amigo permaneça ligado ao eu gabinete por um tempo, uma imbecilidade, um gesto paternal equivocado. Agaciel queria eu me calasse para ele continuar roubando o Senado. Vou pedir que o Conselho me investigue, não tenho nada a esconder – disse Virgilio.

Virgilio está no Amazonas, e disse não se lembrar por quanto tempo Nina Neto recebeu salário. O pai de Nina Neto, Carlos Homero, é funcionário do Senado desde 1979. Outro filho dele, Guarani Alves Nina, é secretário de Virgílio, lotado em seu gabinete. Um terceiro filho dele, Tomás Alves Nina, também já trabalhou com o senador.

De acordo com a reportagem, Agaciel Maia teria depositado na conta de Virgilio US$10 mil quando o senador teve problemas com cartão de crédito numa viagem à Paris, em 2003.
A revista diz que o Senado teria pagado R$723 mil pelo tratamento de saúde da mãe dele, quando o regimento permite gasto anual de R$30 mil.

Virgilio disse que pediu ajuda a Homero, qu acionou Agaciel, de quem era amigo. Vigilio disse não saber que o dinheiro era de Agaciel. Sobre sua mãe, o tucano lembrou que ele teve direito porque era mulher de ex-senador e que o ressarcimento foi referente a dez anos de tratamento do mal de Alzheimer.